E quando sua namorada propõe vocês adotarem um pet juntos?

Nunca tivemos nada.Já tivemos algo.Ele é meu namorado.Ele é meu noivo.Ele é meu marido.Ele é meu ex.Continuar.

Namorar envolve tomar várias decisões juntos… Tanto decisões boas quanto decisões ruins…

[sc:calculadora ]

E isso é válido tanto para aqueles casais que moram juntos quanto para aqueles que ainda têm suas próprias casas!


Agora imagine a seguinte situação… Você e sua namorada estão conversando e então ela joga a seguinte pergunta: “Por que não adotamos um pet?”

Vocês dois adoram animais… Mas será que adotar um pet juntos é uma boa ideia?

Se essa duvida paira sobre sua cabeça, você veio ao artigo certo!

Hoje você vai descobrir os motivos que podem ter levado sua namorada a sugerir isso e também o que fazer diante da pergunta…

E quando sua namorada propõe vocês adotarem um pet juntos? 

Como saber se é a hora certa?

Como saber se é a hora certa?

 

1 – Pet é como um filho 

Seja um gato, um cachorro, um passarinho ou até mesmo um hamster. Todos eles vão exigir de vocês responsabilidade!

A sugestão pode ter vindo dela como uma forma de descobrir se você seria um bom pai!

Isso mesmo, ela quer ver como você cuida do pet que pertence a vocês dois!

E acredite, vai exigir muita responsabilidade! Será quase como ter um filho!

É preciso alimentar, limpar o local de suas necessidades, dar banho, levar para tomar vacinas…

Se vocês moram juntos vai ser uma chance muito boa para descobrir se estão preparados para casar e ter filhos…

Se não, será uma ótima forma de interação – uma desculpa para se verem mais – e de saber se serão bons pais no futuro!

2 – Quem vai cuidar

Antes de dar o aval e adotar o pet, conversem bastante sobre quem vai cuidar do bichinho!

Morando juntos ou não, a responsabilidade não pode pesar só para um lado! Ambos têm que ajudar com a limpeza, alimentação e outras atividades que o animal precisa…

Isso inclui passeios e brincadeiras!

3 – Como ficam os gastos

Assim como ter filhos, adotar um animal de estimação implica em aumentar seus gastos!

Como o pet será de vocês dois é preciso pesar o quanto isso irá impactar no orçamento…

Inclusive é preciso ter um dinheiro reservado para possíveis gastos não previstos, como uma visita emergencial ao veterinário!

Morando juntos ou não, vocês precisam deixar bem definido o quanto cada um irá contribuir para que o pet possa ter uma vida de qualidade…

4 – Qual animal escolher

Se você está decidido a concordar com a ideia de sua namorada e quer mesmo adotar um animal junto com ela é hora de pensar qual pet deve ser escolhido!

Tudo depende do tempo disponível de vocês para dar atenção ao novo amigo, do quanto podem gastar e do espaço que possuem para o pet…

Ao invés de investir direto em um cachorro ou gato por que vocês não começam com um peixe ou hamster para se adaptarem a ideia de que agora dividem a responsabilidade por uma vida?

Assim podem se acostumar aos poucos com a ideia! Isso também é válido para caso você não esteja muito seguro em concordar em adotar o pet… Nesse caso, prefira um peixe!

5 – Por que adotarem juntos

Afinal por que adotarem um pet juntos? Vocês são apenas namorados, correto? Que motivo levou que ela escolhesse você para participar desse momento?

Além de descobrir como você lida com as responsabilidades, propor adotar um animal pode ser uma forma que sua namorada encontrou para uni-los ainda mais…

Quando o pet estiver com vocês será preciso discutir juntos questões relacionadas a eles e isso fará com que vocês tenham mais contato!

Essa também pode ser uma forma diferenciada de dizer que ela gostaria de formar uma família com você…

O principal é que se concordar com a ideia de sua namorada deve ter em mente que vocês são responsáveis por uma vida…

O Segredo Inusitado Para Despertar Uma Tempestade de Desejo Apaixonado Na Mente do Homem Que Você Ama: (clique aqui para assistir ao vídeo)

E que ninguém pode fugir dessa responsabilidade a partir do momento em que o pet estiver com vocês! Adotem com responsabilidade – mesmo que seja apenas um peixe!

 


 

Gostou do artigo? Conte sua história nos comentários: